Depois de xingar PMs em Brasília, ameaçar o STF e o governador do DF, Sara Winter vai em cana pela PF.


Ao ser presa pela Polícia Federal hoje pela manhã, a ativista Sara Winter, líder do chamado “300 do Brasil”, que esteve acampado em Brasília em apoio a Bolsonaro, perdeu no domingo a chance de tentar se tornar ícone dos movimentos no país ofendendo os policiais militares que estavam de serviço na esplanada.

A ativista não poupou palavrões e agressões verbais aos policiais, ameaçou o Supremo e o governador do DF Ibaneis Rocha. Sara já tinha histórico e estava sendo investigada pela PF desde que chamou o ministro do STF, Alexandres de Moares, de covarde e disse que ele não a calaria. “Levaram meu celular e notebook quando estiveram na minha casa. Estou praticamente incomunicável”, escreveu na conta que mantém na rede social quando a Polícia Federal esteve em sua casa no último dia 27 de maio. No sábado (13), Sara divulgou imagens de uma tentativa de invasão ao Congresso Nacional por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que foi à área externa do Congresso. Da mesma forma, também no sábado, ela postou nas redes sociais que a Polícia Militar do Distrito Federal, junto com a Secretaria de Segurança, desmontou o acampamento montado pelos apoiadores na Esplanada dos Ministérios.

Da redação com informações da CNN Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat